Expectativas e Esperança

 

Por José Carlos da Silva

Ó Deus, ensina o rei a julgar de acordo com a tua justiça!

Dá-lhe a tua justiça para que governe o teu povo com honestidade e trate com justiça os explorados.

Que haja prosperidade no país, pois o povo faz o que é direito!

Que o rei julgue os pobres honestamente!

Que ele ajude os necessitados e derrote os que exploram o povo! (Salmo 72.1 NTLH)

Oramos muito para que os debates e embates no campo político não transbordassem pelas ruas em atos de violência. Até aqui, o povo brasileiro expressou sua paixão ou indignação com palavras de ordem, manifestações veementes, mas também criatividade e senso de humor. Se há algo a celebrar, é o despertamento para a necessidade de mudanças profundas no sistema político partidário e eleitoral, a preservação das instituições republicanas e da democracia, e o embate de ideias sem violência.

As redes sociais demonstraram que a população assistiu a votação no Congresso Nacional, mas não se deixou enganar pelos discursos contra a corrupção frente às câmeras de TV. Anunciar voto evocando Deus ou a família soou demagogia. O povo brasileiro, inclusive a parte evangélica dele, espera mais de seus representantes, eleitos com o discurso da ética, da preocupação com as classes menos favorecidas, do comprometimento com a governabilidade em favor do país. O que se viu até aqui não convenceu. A máscara da hipocrisia é adereço de quase todos no espetáculo teatral encenado no palco das duas cúpulas, que completam a Praça dos Três Poderes.

Na verdade, deputados e senadores perderam prestígio e não inspiram confiança nos que os elegeram. Todavia têm a oportunidade de redenção nessa crise se tiverem coragem de cortar na própria carne e separarem o joio do trigo. Aprovem projetos de lei que inibam a prática da corrupção, deem celeridade à punição e permitam a recuperação dos recursos públicos surrupiados. Promovam uma reforma política genuína em favor do aperfeiçoamento da democracia representativa brasileira.

Esperamos mais do Poder Executivo, na condução da vida nacional, visto que estamos sob um regime presidencialista. Sem direcionamento a atividade econômica estanca e até retrocede. Serviços básicos à população, como o de saúde, assim como programas sociais e obras públicas não podem ficar paralisados por falta de comando.

O povo espera mais do Poder Judiciário. Que avancem os processos e investigações de crimes, principalmente de corrupção e desvio de dinheiro praticado sob o manto do foro privilegiado. Que se chegue à punição devida nos termos da lei.

O povo espera mais da mídia. Que informe com imparcialidade. Denuncie sem favorecimento. Contribua para o aperfeiçoamento da democracia e melhor formação da opinião pública.

O povo espera mais da Igreja. Mais oração; mais voz profética; mais conscientização cidadã e participação política ética e responsável.

Nossa esperança, por fim está no Deus Altíssimo, Juiz de todos e a quem todos prestarão contas.  Também Pai de todos; rico em graça e misericórdia, a quem confiamos nossas almas e a Pátria brasileira.

Pr. José Carlos da Silva – pastor da Primeira Igreja Batista de Brasília e membro do Conselho Coordenador da Aliança Evangélica.

Imprimir