Não aos deputados evangélicos que votaram contra às Medidas Anticorrupção (2)

 

Desde o lançamento da campanha das “10 Medidas Contra a Corrupção” pelo MPF, a Aliança Cristã Evangélica Brasileira manifestou apoio a elas em suas linhas gerais, pelo que representavam. Por isso, saiu a campo para coleta de assinaturas nas igrejas evangélicas e foi a Brasília participar da entrega ao Congresso Nacional.

Lembrados das palavras do profeta Miquéias: “pratique a justiça, ame a fidelidade e ande humildemente com o seu Deus”, em recente Declaração, afirmamos: “denunciamos as artimanhas que não desejam reformas profundas e afirmamos todo o esforço possível para que a transparência dos fatos seja buscada e a justiça seja exercida.”

Por isso, lamentamos que deputados evangélicos tenham votado contra as medidas anticorrupção e participado de práticas na “calada da noite”. Outros foram omissos, ausentando-se da sessão negligenciando seu dever como representantes da população que os elegeu. Aos parlamentares caberia aperfeiçoar a proposta de iniciativa popular, mas optaram por descaracterizá-la com supressões e, ainda pior, emendá-la aditivamente de modo revanchista.

A Aliança Cristã Evangélica Brasileira  reafirma seu compromisso com a justiça e apoio à apuração rigorosa dos atos de corrupção, sonegação e outras desonestidades, a justa punição dos culpados e a criação de mecanismos legais que permitam a restituição em favor do Estado e do povo brasileiro.

Aliança Cristã Evangélica Brasileira
Brasil, 7 de dezembro de 2016

Imprimir